Filipinas – 3º dia: El Nido

Em viagem em geral há sempre dias em trânsito e nas Filipinas então ainda mais. Num arquipélago com mais de 7 mil ilhas e em que as ligações entre estas ainda estão longe de ser perfeitas, há sempre que contar que vão haver em dias em deslocação. A não ser que se queira ficar apenas num sítio, o que também não aconselho.

De Panglao para El Nido, próximo destino, começamos por apanhar o transfer do Amorita para o barco, depois um barco que demorou 2 horas a fazer a travessia até Cebu, depois um táxi que demorou meia hora do porto até ao aeroporto, no meio de um trânsito caótico, não fosse esta a segunda maior cidade das Filipinas a seguir a Manila.

Por fim depois de 3 horas de espera no aeroporto lá apanhámos o avião para El Nido. Uma viagem de hora e meia que teve direito a desembarque com passadeira encarnada e tudo.

Mais 10 minutos de transfer e por fim chegamos a Lio Resort, um novo “condomínio” à beira mar que está agora a ser construído acerca de vinte minutos de carro da vila de El Nido.

 

 

Fica à beira mar de uma praia com um areal a perder de vista e um por do sol de sonho. Tem para já três pequenos hotéis, meia dúzia de restaurantes, uma boutique, um banco e uma agência de viagens. Tudo a “walking distance” e com ruas de areia.

Ficamos alojados na Casa Kalaw, pequeno hotel simpático, num quarto com vista para a piscina.

 

 

Havemos de dar graças a todos os santinhos pela escolha, mal nos aventuramos em ir até à Vila de El Nido. O que terá sido até há uns 8 anos atrás uma pacata vila de pescadores, é hoje uma confusão de hostels, pensões, restaurantes, bares, lojas de conveniência, bancas de souveniers e agências de viagens. Tudo isto em ruas estreitas por onde circulam tal gincana, turistas, locais e motoretas.

 

 

Dethe, manager da Casa Kalaw, nascida e criada em El Nido lembra-se de só existirem dois triciclos nesta vila, de se ir para a escola a pé, de se viver quase única e exclusivamente da pesca.

“Depois o rio subterrâneo em Porto Princesa – capital da ilha- foi classificado como uma das 7 Maravilhas Naturais do Mundo, os turistas começaram a vir e pouco depois descobriram El Nido. “

Em 2014 e de novo, em 2015, a ilha de Palawan, onde fica El Nido, foi considerada pela revista Condé Nast Traveller como a ilha mais linda do mundo.  Amanhã vamos perceber porquê.

Mas na primeira noite depois de uma curta volta pelo centro da vila para marcar a viagem às ilhas, regressamos à Casa Kalaw.

O dia foi longo e amanhã espera- nos um grande dia. 

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios têm *.


Preencha o CAPTCHA *