Pela Ilha de Moçambique

Isto de programar viagens que já fiz para outras pessoas as fazerem tem um gostinho muito especial. É um reviver, é um recordar e é, a maioria das ezes, também uma vontade incrível de regressar.

Esta semana tenho estado às voltas com a programação de uma viagem de lua de mel a Moçambique, terra pela qual me apaixonei há 11 anos e à qual volto quase todos os anos (por razões profissionais e não só que em breve aqui falarei).

E que bom que é recordar Moçambique, viagens passadas e sonhar com futuras.

Aqui vai o relato de uma pela Ilha, que fiz há uns tempos em companhia da Catarina, uma grande amiga.

No paraíso de Vasco da Gama

ilha de Moçambique“Quilómetros de praias desertas, ilhas selvagens, corais e coqueiros. Perto da Ilha de Moçambique, num areal sem fim, Catarina Serra Lopes passou uns dias na costa onde Vasco da Gama desembarcou em 1498. Visitou a mesquita mais antiga de Moçambique, deu mergulhos, passeou de “dhow”, fez piqueniques de lagosta grelhada em ilhas desertas e caminhadas à beira-mar. Porque o paraíso existe, é preciso é encontrá-lo”

 

Ilha de Moçambique: Património Mundial da UNESCO desde 1991,  primeira capital do país homónimo, terra do povo Macua. Sobre ela já muito se escreveu, se dissertou, se sonhou. Mas mesmo assim continua a conseguir guardar (bons) segredos. Como as praias maravilhosas que se estendem numa costa a perder de vista, frente à ilha. Nomes como Praia das Chocas, Praia da Carrusca, são alguns dos tesouros locais que se mantém praticamente inexplorados.

Uma água límpida, cor de coral, uma areia muito branca, coqueiros alinhados frente ao mar, a estenderem-se até onde o horizonte vai. Não há chapéus, não há espreguiçadeiras, não há apoios de praia a debitarem os últimos “hits” a decibéis impróprios para ouvidos mais sensíveis. Não há vendedores ambulantes, não há “fruta-ó-chocolate”. Mas sim paz. Um ou outro barco à vela ao fundo, um pescador solitário numa pequena piroga. Silêncio apenas entrecortado com o barulho do mar e o restolhar das folhas de palmeira. Quem disse que já não existem praias desertas? Lá pelo Norte de Moçambique, há que as há e lindas.

IMG_5405 DSC_0159 DSC_0075

Não é ao virar da esquina, mas vale a pena. O aeroporto mais próximo é o de Nampula e fica a duas horas de caminho. A paisagem vale o percurso. A terra encarnada a misturar-se com a vegetação muito verde, os mercados de beira de estrada, o pulsar da vida local, a mistura de sons de dialectos imperceptíveis.

Chegados à Ilha de Moçambique, através da ponte, a maneira mais fácil de alcançar a linha de costa, é de barco. Dez minutos, mais ou menos, numa travessia que só apetece que termine num bom mergulho. Vê-se o fundo de coral, peixes multicolores e três pequenas ilhas desertas: Sete Paus, Goa e Sena.

Desembarcados, o único alojamento cinco estrelas que existe nesta costa junto à Ilha inaugurou há menos de um ano. Chama-se Coral Lodge e fica na zona de Varanda, antes da Carrusca e das Chocas. Cinco quilómetros de praia privada. Nove quartos apenas, cada um é uma cabana, com direito a deck, espreguiçadeiras e uma vista sem fim. Cinco são viradas para o mar, outras quatro para a lagoa, onde se pode fazer “snorkelling”.

IMG_5394 DSC_0188 Ilha de Moçambique

Alexandra e o marido Bart, um casal de holandeses aventureiros, são os felizes proprietários do lodge. Uma ideia que os trouxe do frio para o calor africano, atrás de um sonho que se tornou realidade.

“Não havia aqui nada para além de uma paisagem de sonho, de uma reserva natural belíssima, completamente inexplorada, quase sem toque de civilização”, explica Alexandra. “Havia que criar pelo menos uma infraestrutura de qualidade para que os poucos turistas que para aqui vêm pudessem ficar uns dias a desfrutar o sítio.”

Ideia base: não estragar nada do ambiente envolvente, fazer um projecto integrado na paisagem, ser uma mais valia para a terra e não o principio do fim. Objectivo alcançado.

No Coral Lodge nada choca, tudo está em equilíbrio perfeito com o ambiente. Desde os materiais utilizados, próprios da região – o mobiliário é todo feito de madeira de coqueiro-, às cabanas disfarçadas no meio da vegetação.

Até no spa, localizado numa pequena palhota frente à lagoa, “os cremes utilizados são feitos a base da pasta usada pelas mulheres macuas para protegerem o rosto”, acrescenta Alexandra.

Para passar os dias, não faltam propostas. Para lá da praia, que funciona tipo íman, Alexandra está pronta para levar os hóspedes a conhecer as redondezas e a sua história. “Afinal foi aqui neste preciso local que Vasco da Gama desembarcou no século XV”, explica. “Toda esta zona tem um passado histórico muito rico, com uma grande mistura árabe e portuguesa.” A começar pelas duas povoações mais perto. A escassos quilómetros, por estradas de terra batida no meio de uma vegetação luxuriante, ficam Cabeceira Grande e Cabeceira Pequena. A primeira foi criada pelos portugueses, a segunda pelos árabes. Na primeira pode-se visitar a primeira Igreja que os Dominicanos construíram em Moçambique. Datada de 1579, continua a ser aqui que se celebra uma missa católica todos os Domingos. A porta da entrada, imponente, é de madeira estilo indiano e veio de Goa, há muitos séculos atrás, quando por aqui passavam os marinheiros em rota Portugal-Índia.

DSC_3363   DSC_0231 Perto ainda existe um poço onde, segundo a história, os navegadores portugueses se abasteciam de água fresca para os barcos que percorriam o litoral africano.

A igreja, no meio de coqueiros, parece cenário de filme. À porta um grupo de mulheres locais trauteia músicas em dialecto. Sorriem envergonhadas à passagem de forasteiros. O sol está quente mas sente-se uma brisa, o cheiro a trópicos, a terra, a manga.

Perto da igreja, fica o que foi um dia o Palácio de Verão do Governador no século XVIII, e que continua a parecer cenário de filme de época colonial. Praticamente em ruínas mantém a aura. Nos grandes salões imaginam-se as festas de outrora, as varandas abertas sobre a paisagem, as escadarias imponentes, um pé direito que nos faz sentir insignificantes.

Totalmente diferente, Cabeceira Pequena, é a paragem que se segue. Árabe dos pés à cabeça, conserva até hoje a primeira mesquita construída em Moçambique, há 600 anos atrás. E palhotas e mais palhotas e crianças a correr à passagem do jipe de Alexandra. E  no meio do nada, um poço. “Era aqui que o Vasco da Gama vinha beber água”, explica a holandesa.

Depois da visita histórica às povoações locais, nada melhor do que um passeio de “dhow” – embarcação à vela, típica da região – rumo à ilha mais próxima. Sete Paus é o seu nome.

 

DSC_0213 DSC_3299  DSC_3419 DSC_3469 ilha de moçambique

Imprescindível: levar o equipamento de “snorkelling”. Se se quiser fazer mergulho o Coral Lodge tem também o único centro credenciado da região da Ilha de Moçambique. Por perto há seis “spots” a não perder, principalmente para quem gosta de mergulho em naufrágio. Nesta zona encontram-se no fundo do mar alguns barcos portugueses do século XVII.

Mas voltando a ilha de Sete Paus, a ideia do Coral Lodge é proporcionar aos seus clientes uma tarde a ver peixinhos e a apanhar banhos de sol com um toque a Robinson Crusoe dos tempos modernos. A ilha é deserta, mas não há necessidade de comer areia. E se é para ser uma experiência romântica e diferente então que seja em grande estilo. Com lagosta grelhada, vinho branco gelado servido em copos de pé alto, toalha estendida à sombra, almofadas e guardanapos de pano. Rendidos? A ideia do Coral Lodge acho que é mesmo essa.

Agora junte-se mais uns jantares na praia, mesmo à beira –mar, à luz das velas, com peixe grelhado no momento. Uns pequenos almoços de frutos exóticos, scones e “muffins”. Uns passeios de canoa pelo mar fora. Uns dias longos de caminhadas pelo areal, pés descalços e água tépida. Uns entardeceres à vela, ao longo da costa, com champanhe a acompanhar. É melhor ficar por aqui…Paraíso? Há quem diga que sim. Há quem diga que é ainda mais do que isso.

DSC_3706 DSC_3668 DSC_3662 DSC_3618 Ilha de moçambique

Como ir

A TAP e a LAM voam regularmente de Lisboa para Maputo com tarifas a partir dos 800 euros. De Maputo para Nampula, voa apenas a LAM. Os bilhetes custam à volta de 200 euros. A partir de Nampula até ao Coral Lodge são cerca de duas horas de carro. Pode-se alugar um táxi no aeroporto ou reservar previamente o transfer do lodge. Ida e volta são cerca de 100 euros.

Onde ficar

Coral Lodge. www.corallodge1541.com. Quarto duplo 295 euros por pessoa. Inclui todas as refeições, bebidas nacionais, desportos não motorizados e uma visita guiada à ilha de Moçambique. Crianças até aos 3 anos não pagam e até aos 12 têm 40 por cento de desconto.

Terraço das Quitandas. Se a opção for ficar mesmo na Ilha de Moçambique. Tem apenas seis suites e um terraço fantástico com vista sobre o mar. www.terracodasquitandas.com

Onde comer

No Escondidinho. Considerado o melhor restaurante da Ilha de Moçambique. A lagosta grelhada é imperdível. Junto à praia, o Relíquias tem uma óptima matapa de caranquejo. Preço médio por pesssoa: 10 euros.

Quando ir

Ao longo de todo o ano as temperaturas andam sempre à volta dos 28 graus, com a água do mar por vezes até mais quente. Os meses mais frescos são os de Julho e Agosto e os meses de chuva  vão entre Janeiro e finais de Março.

5 comentários

  1. Escondidinho?? o melhor restaurante da ilha é sem sombra de dúvida o Reliquias. Um menu muito mais vasto e de maior qualidade, e uma localização de excelência. Recomendo vivamente

    • O Reliquias…. Já foi há uns anos mas acho que também lá estive sim. Fica a dica, obrigada.

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios têm *.


Preencha o CAPTCHA *