Sri Lanka – Costa Sul e Galle

E lá chegámos nós ao último dia de viagem. Um último dia aproveitado ao minuto e que começou com um pequeno almoço bem local no fantástico terraço do Amanwella.

 

 

“String Hoppers” ou seja uma massa tipica do Sri Lanka, com um ovo estrelado no meio e acompanhado de uma série de molhos, caris, sambols e outras especiarias que tais.Uma maravilha, asseguro,  mesmo para quem como eu é um bocadinho “antiquada” no que toca à primeira refeição do dia.

De lágrimas nos olhos – ou quase – despedimos-nos do fabuloso hotel que tão bem nos recebeu e partimos cedo num carro alugado com motorista para um dia pela costa fora, a picar as praias, até Colombo, onde o nosso voo descolava pela noite.

A costa Sul do Sri Lanka é um sem fim de praias e de um turismo que vai crescendo a olhos vistos. Há umas melhores que outras, algumas que são uma desilusão e outras que apesar de ter lido algumas criticas negativas até são uma agradável surpresa.

Mas uma coisa é certa, melhor que a praia do Amanwella não vi. E a isso não há volta a dar.

 

thumb_img_9728_1024

 

A primeira paragem foi na praia de Mirissa e não fiquei apaixonada. A praia não é propriamente feia mas está cheia de bares, restaurantes e guest houses. A água está longe do azul turquesa mas há uma boa porção de areia branca para estender a toalha.

 

 

Há alojamentos mesmo à borda de água o que permite uns dias de pé literalmente descalço para quem não queira fazer mais nada a não ser acordar, dar uns mergulhos, beber umas pinas coladas nas inúmeras happy hours anunciadas pelos bares fora. Para acompanhar, não há falta de menús a oferecer pizzas, comida tailandesa, carbonaras e bolonhesas.

 

 

Não fiquei fã mas compreendo o conceito e percebo quem goste.

Depois de um mergulho retemperador, que o calor por aqui não dá folgas, lá partimos rumo à praia seguinte: Weligama. Uma antiga vila de pescadores tomada de assalto pela onda do surf.

 

 

Aqui quase toda a praia é por escolas de surf para além de um ou outro mini lodge com ar cool. Ao fundo uma torre enorme do hotel Marriot mata o cenário. Ainda há barcos de pescadores, pranchas e mais pranchas é o que se vê por aqui.

 

 

A praia seguinte foi a que mais me encantou na zona: Midigama, um perfeito oásis de areia branca, água azul turquesa e praticamente ninguém para além de meia dúzia de locais, um casal de turistas e uma cabaninha a vender água de coco. Se isto não é o paraíso…

 

 

Foi com pena que arranquei de Midigama, próxima paragem Unawatuna, sobre a qual tinha lido tão mal que até fiquei agradavelmente surpreendida. Tem um areal imenso a lembrar a Figueira da Foz, água calma sem cores paradiasicas, vários restaurantes pela praia fora, com pouco glamour mas sem ser abandalhado.

 

 

A vila tem ruas estreitinhas, cafés e restaurante com um ar engraçado,  lojinhas de roupa e artesanato, tudo no meio de muitos coqueiros, verde, muito verde. Não há cimento a mais e parece tudo bem arranjado. Turistas esses muitos, aqui arranja-se alojamento para todos os preços e acaba por haver mais diversão do que propriedade no paraíso solitário do Amanwella. Mas o campeonato é outro e para mim não vale uma viagem intercontinental.

 

 

Acabámos com um mergulho e um almoço de caranguejo de casca mole, outra das especialidades locais. Estava bom mas sem aquele picante maravilhoso do caranguejo idêntico que comi numa esplanada numa noite quente em Kuala Lumpur.

 

thumb_img_9828_1024

 

Uns brindes com as últimas Lions e lá rumámos à última paragem: Galle.

E sem dúvida que do dia, o melhor ficou para o fim. Galle, ou melhor o Forte de Galle, pequena zona histórica, fortificada, construída pelosportugueses no século XVI, dominada pelos holandeses no século XVII, pelos ingleses nos éculo XVIII e o porto mais importante do Sri Lanka até ao século XIX.

 

thumb_dsc_1715_1024

 

O Forte de Galle, Património Mundial da Unesco, é hoje uma terra de artistas: escritores, pintores, fotógrafos, designers e poetas, vindos dos quatro cantos do mundo, que atraídos pela sua herança histórica e pela sua aura exótica resolveram aqui lançar âncora e criar pequenos boutique-hoteis, lojas e restaurantes. Tudo com um ar para lá de giro. Com o aroma do sal do mar e das especiarias, com o verde tropical a dar o tom.

 

 

Em Galle, onde tanto se vêem igrejas de traça holandesa, como mesquitas e casas tipicamente “colonial-british”, apetece deambular pelas ruas, parar em cada loja, ter tempo para conhecer cada restaurante. Fiquei com pena de não ficar uns dias por ali. Galle vale a pena. Muito a pena.

 

 

Serviu para fechar a minha viagem com chave de ouro e para partir com vontade de regressar. Até um dia…

 

 

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios têm *.


Preencha o CAPTCHA *